Central de Atendimento:
0800 600 2439
LIGAÇÃO GRATUITA!
Fones:
(62) 3945-2439
(62) 3922-0485

 

 

 

Informativos

"Ciências Sem Fronteiras"

Meta é oferecer cursos no exterior a 100 mil estudantes em quatro anos

 

 

Publicada por Assessoria de Comunicação Social da Capes

Terça, 13 de Dezembro de 2011 17:11

 

 

A presidenta da República, Dilma Rousseff, assinou, na manhã desta terça-feira, 13, no Palácio do Planalto, decreto que regulamenta o Programa Ciências sem Fronteiras e lançou os editais para concessão de 13 mil bolsas de estudos no exterior. O programa dará prioridade a estudos ligados às ciências básicas (matemática, física, química e biologia), engenharias e cursos tecnológicos. Serão concedidas mais de 100 mil bolsas de estudo no exterior até 2015. A cerimônia contou com a presença dos ministros da Educação, Fernando Haddad; da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, e da Casa Civil, Gleisi Hoffman.

 

b.600.250.14.0...images.stories.download.diversos.13.12.11.CienciaSemFronteiras 001















Os editais lançados concederão 13 mil bolsas, incluindo 500 para tecnólogos na modalidade sanduíche (Foto: Guilherme Feijó – ACS/Capes)
 

_

O Ciência sem Fronteiras é resultado da ação conjunta dos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação para desenvolver a ciência e a tecnologia no Brasil por meio do intercâmbio de estudantes de graduação e de pós-graduação e da mobilidade internacional de estudantes e pesquisadores. Serão oferecidas aproximadamente 75 mil bolsas pelo poder público e cerca de 26 mil em parceria com instituições particulares, nas modalidades graduação-sanduíche, educação profissional e tecnológica e pós-graduação (doutorado-sanduíche, doutorado pleno e pós-doutorado) nos próximos quatro anos.

 

O ministro Fernando Haddad destacou que o programa pretende oferecer oportunidades a estudantes de todas as classes. O critério para a seleção será o do mérito acadêmico. "Um dos índices que vamos monitorar e acompanhar é se esse programa está atingindo todas as classes sociais", disse. "Não queremos fazer como se fazia no Brasil do Império e da República Velha, quando apenas os jovens da elite brasileira eram mandados para a Europa e Estados Unidos."

 

 

Segundo Haddad, o Brasil agora pretende dar oportunidade aos jovens da elite intelectual, sejam pobres ou ricos. "Os que mais merecerem esse benefício do governo é que vão, depois, voltar e ajudar no desenvolvimento do nosso país."

 

 

b.600.250.14.0...images.stories.download.diversos.13.12.11.CienciaSemFronteiras 002
IES em parceria com a Capes oferecerão cursos de línguas já a partir de janeiro (Foto: Guilherme Feijó – ACS/Capes)
 
_
 

 

Para assegurar que todos tenham oportunidades no programa Ciência sem Fronteiras, serão ministrados cursos intensivos e regulares de língua estrangeira, além de um período de seis a oito meses de estudo do idioma antes do início do curso no país que receberá o estudante.

 

Para Haddad, o impulso proporcionado pelo Ciência sem Fronteiras, tanto na graduação quanto na pós-graduação, permitirá a internacionalização da ciência brasileira. "Essa meta de superar 100 mil bolsistas nos próximos anos não tem paralelo na história do Brasil e vai permitir uma atualização da nossa ciência que não tivemos a oportunidade de ver até agora" salientou. "Nosso desenvolvimento depende dessa parceria e dessa interação com a economia globalizada, na era do conhecimento."

 

 

Os primeiros 1,5 mil beneficiados pelo programa embarcam em janeiro para iniciar os cursos nos Estados Unidos.

 

 
 

(informações do MEC)

 

 

 

capes-60-anos